INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA RELAÇÃO COM O EXERCÍCIO DA JURIDIÇÃO

  • PLÍNIO GOMES DO NASCIMENTO
  • Vinicius Silva Lemos FARO

Resumo

Vivenciou-se no direito uma virada tecnológica, que pôde ser sentida, principalmente, no momento de virtualização da jurisdição, onde houve a troca do físico pelo digital e ocorreu a implantação de novas ferramentas. Nesse sentido, o presente artigo aborda questões técnicas referentes a Ciência da Computação e apresenta um levantamento de alguns programas munidos de Inteligência Artificial (I.A.) existentes no cenário atual. Com base no mapeamento exibido, foi possível a identificar o local de atuação de cada sistema, além de indicar algumas de suas funções. Logo em seguida, visualiza-se a possível aplicação no poder judiciário, onde se demonstra como as ferramentas munidas de I. A. podem contribuir para melhoria e transformação da prestação jurisdicional oferecida, concedendo uma maior agilidade nos trâmites processuais, além de oferecer maior apoio aos magistrados, ou até mesmo, a automação da tomada de decisões. Entretanto, ao se falar em tomada de decisões de modo autônomo, alguns pontos relevantes devem ser destacados, como os eventuais problemas de deliberações via I. A.; o papel do juiz na supervisão dessas atividades; os limites de sua utilização; o respeito aos princípios processuais e ao devido processo legal. A metodologia utilizada é a revisão bibliográfica de artigos que abordam o tema em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Silva Lemos, FARO

 

   
Publicado
25-05-2021
Como Citar
NASCIMENTO, P. G. D. ., & Lemos, V. S. (2021). INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA RELAÇÃO COM O EXERCÍCIO DA JURIDIÇÃO. JusFARO, 2(2). Recuperado de https://revistas.faro.edu.br/JUSFARO/article/view/395