Enraizamento de estacas de Cojoba arborea (L.) Britton & Rose tratadas com extrato etanólico de Uncaria tomentosa (Willd.)

  • Lucas Diego Ferreira Miranda FARO
  • Rosélia Santiago Chaves FARO
  • Fábio Renato Oliveira Marques FARO

Resumo

Com o desenvolvimento de cultivos o ser humano ao longo dos anos desenvolveu métodos que auxiliassem na manipulação e manejo de recursos naturais, principalmente em espécies florestais de interesse econômico. Atualmente, uma das técnicas desenvolvidas foi a estaquia, que permite a reprodução genética de indivíduos que apresentam fenótipos a serem explorados na obtenção de produtos e serviços desejados. Com isto, objetivou neste trabalho avaliar o enraizamento de estacas de Cojoba arborea (L.) Britton & Rose quando tratadas com extrato etanólico de Uncaria tomentosa (Willd.). Para isto, foi realizado experimento conduzido por Delineamento Inteiramente Casualizado composto por 4 tratamentos, com 100%; 50%; 25% e 0% de concentração de extrativo, com 3 repetições contendo 10 estacas em cada parcela sendo verificados os seguintes parâmetros: Comprimento Radicular (CR), Comprimento da Parte Aérea (CPA), Diâmetro a Altura do Coleto (DAC), Massa Úmida da Parte Aérea (MUPA); Massa Úmida Radicular (MUR), Número de Raízes Primárias (NRP), Número de Raízes Secundárias (NRS), Massa Seca Radicular (MSR) e Massa Úmida da Parte Aérea (MUPA) além de avaliar o tempo de enraizamento e sobrevivência das estacas ao final do experimento. Com isso, verificou-se que parcelas tratadas com teores de 25% apresentaram maiores comprimentos radiculares, massas úmidas, no nº de raízes secundárias enquanto o tratamento de 100% apresentou maiores médias em DAC e MSR. Por fim, infere-se que teores baixos de extrato fomentem o alongamento celular e elevados a divisão das mesmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVARADO, C. et al. GUIAS SILVICULTURALES DE 23 ESPECIES FORESTALES DEL BOSQUE HUMEDO DE HONDURAS. Siguatepeque: FHIA, 2003. 7-17 p.

BENDEZU, Y. F. Propagacion por la semilla de la unã de gato (Uncaria tomentosa). Lima: INIA, 1995. 22 p. Boletím Técnico 5.

BORÉM, A.; LOPES, M. T. G.; CLEMENT, C. R. Domesticação e melhoramento: espécies amazônicas. 1. ed. Viçosa: UFV, 2009. 486 p.

PIRES, N. D. M.; OLIVEIRA, V. R. Alelopatia. In: OLIVEIRA JR., R. S.; CONSTANTIN, J.; INQUE, M. H. Biologia e Manejo de Plantas Daninhas. Curitiba: [s.n.], 2011. Cap. 5, p. 95-116.

SCHORN, L. A.; FORMENTO, S. Silvicultura II: produção de mudas florestais. URB. Blumenau, p. 58. 2003. Apostila, Centro de Ciências Tecnológias, Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Regional de Blumenau.

SILVA, F. V. C. et al. Propagação vegetativa de camu-camu por estaquia: efeito de fitorreguladores e substratos. Revista Agroambiente on-line, Boa Vista, RR, 3, n. 2, Jul-Dez 2009. 92-98.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. Tradução de Armando Molina Divan JUNIOR et al. 5ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013. 918 p.

VALENTE, L. M. M. Unha-de-gato [Uncaria tomentosa (Willd.) DC. e Uncaria guianensis (Aubl.) Gmel.]: Um panorama sobre seus aspectos mais relevantes. Revista Fitos, Rio de janeiro, v. 2, n. n. 01, p. 48-58, junho-setembro 2006.

WENDLING, I. Propagação vegetativa. in: I Semana do Estudante Universitário, Florestas e Meio Ambiente. Colombo, PR: [s.n.]. 2003. p. 6.

XAVIER, A.; WENDLING, I.; SILVA, R. L. D. Silvicultura clonal: princípios e métodos. Viçosa: UFV, 2009. 272 p.

Publicado
21-03-2019
Como Citar
Ferreira Miranda, L. D., Chaves, R. S., & Oliveira Marques, F. R. (2019). Enraizamento de estacas de Cojoba arborea (L.) Britton & Rose tratadas com extrato etanólico de Uncaria tomentosa (Willd.). Revista FAROCIENCIA (ISSN 2359-1846), 5(1). https://doi.org/10.36703/farociencia.v5i1.303
Seção
4º ENCONTRO DE CIENCIA E TECNOLOGIA