EFEITO DO ULTRASSOM DE BAIXA FREQUÊNCIA NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Copaifera langsdorffii DESF.

  • isaias dos santos baptista FARO
  • genaldo de medeiros júnior FARO
  • Danielli Carvalho dos Santos FARO
  • ABADIO HERMES VIEIRA FARO
  • HENRIQUE NERY CIPRIANI FARO
  • ALEXANDRE MARTINS ABDÃO DOS PASSOS FARO

Resumo

Compreender a germinação de determinada espécie é de extrema importância, pois possibilita a produção de mudas com eficácia utilizada na revegetação de áreas degradadas. Algumas sementes apresentam dormência necessitando de técnicas para acelerar a germinação. O presente estudo teve como objetivo avaliar a influência do banho em ultrassom na germinação e condutividade da espécie Copaifera langsdorffii Desf.. As sementes foram submetidas a diferentes tempos de imersão (0, 2, 4, 6, 8, 16 e 32 min) em banho ultrassônico (40 kHz) em água destilada e colocadas em BOD a 25 ºC para avaliação da condutividade elétrica da solução (50 mL). Em seguida, foram colocadas para germinar em bandejas com vermiculita sob condições ambientais de laboratório por 60 dias, para avaliação da porcentagem de germinação final. Foram utilizadas 25 sementes para cada uma das 5 repetições. A análise de variância mostrou não haver efeito significativo (p>0,05) do banho ultrassônico na condutividade e na germinação das sementes de C. langsdorffii, obtendo-se condutividade média de 166,44 μS cm-1 a 25 ºC e germinação média de 28,13%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, J. M. Efeitos da energia ultrassônica na regeneração de pele animal com queimadura por calor.São Carlos, 1988. 79p. Dissertação (Mestrado)-Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo.

BARBOSA, J.M.; AGUIAR, I.B.; SANTOS, S.R.G. dos. Maturação de sementes de Copaifera langsdorfii Desf. In: Congresso nacional sobre essências nativas, 1992, São Paulo. Anais. São Paulo: Instituto Florestal, 1992. p.665-674. Publicado na Revista do Instituto Florestal, v.4, parte 3, edição especial, 1992.

CARVALHO, Paulo Emaini Ramalho. Cobaiba. Colombo: [s.n.], 2005. 18 p.

PEREIRA, Regina dos Santos et al. EMERGÊNCIA DE PLÂNTULAS ORIUNDAS DE SEMENTES RECÉM- COLHIDAS E ARMAZENADAS DE Copaifera langsdorf fii Desf.. Minas Gerais, 2009. 10 p.

DUARTE,L.R. Thestimulation of boné growth by ultrasound.Archives of Orthopaedican Traumatic Surgery,v.101,p.153-9,1983.

FOWLER, J. A. P.; BIANCHETTI, A. Dormência em sementes florestais Colombo: Embrapa Florestas. Documentos 40, 2000. 27 p.

FRANZIN, SIMONE MEDIANEIRA. DORMÊNCIA E PRÉ-GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE ARROZ. SANTA MARIA: [s.n.], 2006. 122 p.

HEBLING,S.A; W.R Efeitos do ultra-som de baixa intensidade na germinação de sementes de milho (zea mays l.) sob diferentes condições de disponibilidade hídrica. Piracicaba, 1995.

LIMA, J. A. D. et al. Maturação e inibidores de germinação na emergência de plântulas de copaíba (Copaifera langsdorffii Desf.- Caesalpiniaceae). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 2006, Associação Brasileira de Horticultura.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa:Instituto Plantarum, 1992.

PEREIRA, WILSON VICENTE SOUZA. TOLERÂNCIA À DESSECAÇÃO EM SEMENTES DE Copaifera langsdorffii E Tapirira obtusa. LAVRAS: [s.n.], 2001. 82 p.

ROSSI, Ticiane . IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES FLORESTAIS. PIRACICABA: [s.n.], 2008.

ROSSI, Ticiane Copaifera langsdorffii (Copaíba). Piracicaba, 2008.

VENÂNCIO, RENATA SAMARA SILVA VENÂNCIO et al. TÉCNICAS ALTERNATIVAS DE QUEBRA DE DORMÊNCIA: USO DO ULTRASSOM DE BAIXA FREQUÊNCIA EM SEMENTES DE senna multijuga (rich.) h. s. irwin & barneby. São Carlos: [s.n.], 2016. 15 p.

Publicado
21-03-2019
Como Citar
baptista, isaias dos santos, júnior, genaldo de medeiros, dos Santos, D. C., VIEIRA, A. H., CIPRIANI, H. N., & DOS PASSOS, A. M. A. (2019). EFEITO DO ULTRASSOM DE BAIXA FREQUÊNCIA NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Copaifera langsdorffii DESF. Revista FAROCIENCIA (ISSN 2359-1846), 5(1). https://doi.org/10.36703/farociencia.v5i1.268
Seção
4º ENCONTRO DE CIENCIA E TECNOLOGIA